Category Archives: Universidades

Unicamp surpreende ao incluir álbum dos Racionais na lista do seu vestibular

Relação completa possui 12 obras que serão de leitura obrigatória para os candidatos; obra dos rappers está junto aos ‘Sonetos’ de Luís de Camões

A Universidade de Campinas (Unicamp) divulgou, nesta quarta-feira (23), a sua lista oficial de livros obrigatórios para o vestibular 2020. Entre as obras selecionadas para serem consumidas pelos candidatos a uma vaga na universidade, está um álbum completo dos Racionais Mc’s.

Segundo a comissão responsável pela organização do exame (Comvest), a lista completa de obras obrigatórias contém 12 obras de autores das literaturas brasileira e portuguesa. Nas novidades, estão  Sobrevivendo no inferno ( Racionais Mc’s); A falência (Júlia Lopes de Almeida) e A cabra vadia (Nelson Rodrigues).

Segundo a nota da Comvest, “a cada ano, a Unicamp renova parcialmente as obras que compõem a lista”. A intenção da universidade é “permitir o planejamento do professor e, ao mesmo tempo, acompanhar a dinâmica própria do sistema de ensino, cujo público se renova todos os anos”.

Veja abaixo a lista completa de livros:

Poesia

Racionais Mc’s: Sobrevivendo no inferno
Luís de Camões: Sonetos (não são todos, apenas os selecionados).
Ana Cristina Cesar: A teus pés

Contos

Guimarães Rosa: A hora e a vez de Augusto Matraga , do livro Sagarana .
Machado de Assis: O espelho

Teatro

Dias Gomes: O bem amado

Romance

Júlia Lopes de Almeida: A falência
Érico Veríssimo: Caminhos Cruzados (livro distribuído no PNBE).
José Saramago: História do Cerco de Lisboa

Diário

Carolina Maria de Jesus: Quarto de despejo (livro distribuído no PNBE).

Crônica

Nelson Rodrigues: A cabra vadia

Sermões

Antonio Vieira:

(1) Sermão de Quarta-feira de Cinza – Ano de 1672;
(2) Sermão de Quarta-feira de Cinza – Ano de 1673, aos 15 de fevereiro, dia da trasladação do mesmo Santo;
(3) Sermão de Quarta-feira de Cinza – Para a Capela Real, que se não pregou por enfermidade do autor.

Vestibular 2019

Vale ressaltar que as obras acima foram selecionadas para o vestibular de 2020. Segundo a Comvest, as três obras que integram a edição 2019 do vestibular da Unicamp, mas que foram eliminadas das seleções posteriores são: Poemas Negros (Jorge de Lima); Coração, cabeça e estômago (Camilo Castelo Branco) e Amor, do livro Laços de Família (Clarice Lispector). Logo, os Racionais não são para o próximo vestibular da Unicamp, só para o de 2020.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2018-05-23/racionais-leitura-obrigatoria-unicamp.html

USP lidera projeto sobre indicadores de desempenho das universidades

Estudo envolve as três universidades públicas paulistas e vai utilizar rankings internacionais como parâmetro

Avaliar o desempenho de uma universidade depende da definição de uma série de critérios e métricas. Reputação acadêmica, impacto na pesquisa e internacionalização são alguns deles, bastante utilizados nos rankings mais conhecidos mundialmente. Mas para a própria universidade entender sua atuação e poder aprimorá-la, o que é importante medir?

Desde o ano passado, um grupo de pesquisadores vêm estudando indicadores de desempenho com a ideia de ajudar as três universidades públicas paulistas – além da USP, a Unesp e a Unicamp – a se estruturar internamente e poder monitorar melhor seus resultados. O projeto é coordenado pelo professor Jacques Marcovitch, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP e ex-reitor da Universidade.

“Estamos investigando como construir indicadores que dialoguem com as comparações internacionais. Queremos dar elementos para as universidades criarem o que chamamos de ‘unidades de inteligência’”, afirma. Para isso, explica o professor, é necessário haver mobilidade dos dados, ou seja, as informações que alimentam as avaliações devem estar disponíveis em plataformas que dialoguem com outras, e não em um arquivo fechado, caso dos anuários estatísticos.

A empreitada é financiada pela Fapesp e conta com a parceria do Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo.

Indicadores em cheque

Um dos aspectos observados no estudo é que a elaboração dos rankings é orientada por interesses. Segundo Marcovitch, algumas das instituições que criam as classificações vendem serviços de consultoria para que as universidades melhorem sua posição, por exemplo. “Então precisamos entender as lógicas envolvidas. Universidades inglesas são bem colocadas porque são boas, claro, mas também porque os indicadores adotados para medir seu desempenho as favorecem”, diz.

Ainda que haja críticas, os critérios adotados por instituições como Times Higher Education, QS World University Rankings, Academic Ranking of World Universities não serão ignorados – pelo contrário, serão utilizados como referência, já que a pesquisa vai observar quais os elementos comuns a essas listas para propor o diálogo entre as avaliações nacionais e as internacionais.

Algumas métricas, diz Marcovitch, são incontornáveis, caso do número de citações. “Por outro lado, como um País em desenvolvimento, é importante avaliar o desempenho das universidades na redução da exclusão social, por exemplo”.

O professor explica que, a partir das análises derivadas do estudo, as universidades têm autonomia para desenvolver suas próprias iniciativas. No caso da USP, foi criado um Escritório de Gestão de Indicadores de Desempenho.

O anúncio do escritório foi feito em março deste ano, quando foi realizado na USP um workshop com os pesquisadores associados ao projeto. O conteúdo dos debates estarão reunidos em um livro com lançamento previsto para agosto, quando haverá o próximo evento da equipe.

 

fonte: https://jornal.usp.br/universidade/usp-lidera-projeto-sobre-indicadores-de-desempenho-das-universidades/

Ir para a barra de ferramentas